As práticas ESG são novas diretrizes para o mundo porque trazem a preocupação da sustentabilidade para dentro das instituições, reforçando a necessidade de atenção com o futuro do planeta e da qualidade de vida. Quando uma empresa mantém bons indicadores ligados à responsabilidade social e ambiental, bem como uma política de governança corporativa bem estruturada, seu balanço é otimizado, o que indica para o mercado que suas operações são mais sustentáveis em diferentes aspectos, inclusive nas áreas de gestão e finanças. 

ESG significa Environmental, Social and Corporate Governance ou seja, Ambiental, Social e Governança Corporativa é uma abordagem para avaliar até que ponto uma corporação trabalha em prol de objetivos sociais, que vão além do papel de uma corporação para maximizar os lucros. 

No Brasil, também nos referimos a ela como ASG (Ambiental, Social e Governança Corporativa).

Esses três pilares são compostos pelas melhores práticas relacionadas a questões ambientais, sociais e de governança corporativa.

Environmental ou Ambiental: A letra E da sigla se refere às práticas de uma empresa em relação à conservação do meio-ambiente. Este termo tem o papel fundamental para a evolução da sociedade de maneira sustentável a longo prazo. Trata-se da melhor utilização dos recursos naturais e não renováveis e redução dos impactos causados ao meio ambiente. Entram aqui temas como aquecimento global, emissão de carbono, poluição do ar e da água, eficiência energética, gestão de resíduos, escassez de água, entre outros.

Social: diz respeito à relação de uma empresa com as pessoas que fazem parte do seu universo, comunidade e sociedade. O pilar social inclui métricas sociais que demonstram as preocupações e ações das empresas em relação a satisfação do cliente, diversidade de equipe, relacionamento com a comunidade, proteção de dados e privacidade, respeito aos direitos humanos e as leis trabalhistas e engajamento dos funcionários.

Governance ou Governança: O pilar Governança Corporativa tem um papel fundamental na redução aos riscos de fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção, está ligado às políticas, processos, estratégias e orientações de administração das empresas e entidades. 

Entram no tema, por exemplo; Composição do Conselho, Estrutura do comitê de auditoria, Conduta corporativa, Remuneração dos executivos, Relação com entidades do governo e políticos, Existência de um canal de denúncias.

Dados sobre ESG

1- A alocação de recursos em fundos ESG não para de crescer. Dados da Anbima indicam que esses investimentos superaram os US$370 bilhões no mundo em 2021. E no Brasil, da mesma forma, a busca por esse tipo de ativo disparou e já movimenta R$800 bilhões.

2- Uma pesquisa de 2021 da agência de pesquisa norte-americana, Union + Webster, divulgado pela Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), diz que  87% dos brasileiros preferem empresas com práticas sustentáveis na hora de fazer as suas compras, ou investimentos. E 70% deles dizem não se importar em pagar mais por isso.

Quando o investidor opta por fundos ou por qualquer ativo de empresas sustentáveis ele está contribuindo para que as demais corporações passem a olhar o conceito ESG como ferramenta de crescimento e de rentabilidade e não como custo adicional como muitas ainda enxergam.

Do outro lado, os consumidores acreditam que empresas que se preocupam com o meio ambiente e com os impactos que vão trazer ao planeta são mais confiáveis.

E você, já começou a implantar práticas ESG na sua empresa?