Por conta da crise hídrica, o Brasil aumentou o número de energia importada e países vizinhos como Argentina e Uruguai tornaram-se grandes fornecedores. De acordo com o Ministério da Economia, de janeiro a outubro deste ano as compras de energia elétrica cresceram 63,8%, na comparação com o mesmo período do ano passado.

Em 2020, as importações haviam caído 4,8% de janeiro a outubro, na comparação com o mesmo período de 2019, em que a quantidade de energia importada já havia registrado queda de 11%.

Outubro de 2021 foi o mês em que o país importou o maior volume de energia, somando US$ 344 milhões, quantia maior que o último pico registrado em fevereiro de US$ 311 milhões.

Argentina e Uruguai são os maiores parceiros do Brasil atualmente. Importamos desses países, respectivamente, US$ 670 milhões e US$ 266 milhões em energia. 

  Fonte: Valor Econômico