O petróleo corresponde a 38% da matriz energética global. A cada 100 casas iluminadas no mundo, 38 utilizam energia que advém deste combustível fóssil. Segundo a Agência Internacional de Energia (AIE), o gás natural representa 23% do abastecimento mundial, seguido pelas hidrelétricas (16,2%).

Destoando do padrão global, o Brasil tem como principal fonte de energia as usinas hidrelétricas que representam 60,5% da potência, enquanto a energia de carvão é responsável por apenas 16,67%  da potência.

Segundo avaliação da AIE, a crise energética é responsável pelo aumento do preço do gás natural e do petróleo. As previsões do órgão apontam para a alta na demanda mundial por petróleo ainda neste ano em 170 mil barris por dia (bpd), a 5,5 milhões de bpd, e para o ano que vem em 210 mil bpd, a 3,3 milhões de bpd. Ainda com a possibilidade de um acréscimo de 500 mil bpd até o segundo trimestre de 2022.

A AIE também aponta que a escassez dos recursos, decorrente da recuperação econômica, continuará a afetar os preços. Países como os EUA já sentem em seus reservatórios os efeitos da escassez. 

Os estoques de gás natural no país norte americano cresceram 81 bilhões de pés cúbicos, total abaixo do aumento médio estimado por analistas da S&P Global Platts, de 89 bilhões de pés cúbicos.

Fontes: Estadão Conteúdo; ISTOÉ