Com a estiagem prolongada no Paraná aumentou a procura de poços artesianos em 170%, conforme o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (Crea-PR). Em Curitiba, o aumento foi ainda maior: de 327% – foram no total 104 pedidos de janeiro a maio de 2020, enquanto no mesmo período de 2019 foram 22.

Os poços artesianos são perfurados com o objetivo de captar a água que se encontra no subsolo. Essa água possui melhor qualidade física, química e biológica, além de ser protegida da contaminação humana, descartando a necessidade de tratamento para o consumo.

Para construir um poço artesiano custa a partir de R$40 mil, dependendo da profundidade e vazão. Além disso, o interessado deve enfrentar alguns processos, como solicitar a autorização do Instituto Água e Terra (IAT), do governo do Paraná. Deve ser perfurado por máquinas e empresas cadastradas no Crea-PR, e por técnicos, como geólogo ou engenheiro de minas. 

Poços clandestinos 

Muitos moradores fazem a perfuração por conta sem a regularização e desrespeitando as regras. Com isso, a possibilidade de estarem consumindo água contaminada é muito grande.